Categorias
Bom Jesus da Lapa

Prefeitura da Lapa comemora incremento de visitantes na terceira maior romaria do país

Anúncios
Bom Jesus da Lapa. Foto: Carol Garcia/Setur-BA

A Prefeitura de Bom Jesus da Lapa investe, todos os anos, para ampliar fluxo do turismo religioso na cidade. Com a terceira maior romaria do país, o Santuário do Bom Jesus da Lapa é uma das Sete Maravilhas do Brasil. Por isso, os investimentos têm foco na infraestrutura local e organização para receber os visitantes. Este ano, o município de 72 mil habitantes, está recebendo cerca 600 mil turistas, representando um incremento de 10% no volume de visitantes da romaria, que se iniciou na última semana de julho e teve o ponto alto nesta segunda-feira (6), dia do Bom Jesus, padroeiro da cidade.

Passagem obrigatória dos romeiros, o novo mercado municipal foi inaugurado pelo prefeito Eures Ribeiro (PSD), com recursos próprios, na semana de recepção dos visitantes. O local recebeu investimentos da ordem de R$ 4,5 milhões na construção de infraestrutura sanitária, cobertura e diversos box de comercialização dos produtos locais. As ruas ao entorno do mercado também tiveram o asfalto recuperado e a Guarda Municipal reforçou o trabalho de controle do trânsito no período.

Bom Jesus da Lapa. Foto: Carol Garcia/Setur-BA

“Foi um presente que preparamos para os romeiros. E trabalhamos todos os anos para deixar a cidade ainda melhor e mais preparada para acolher os visitantes. O romeiro deixa dinheiro no município e aproveitar essa oportunidade para melhorar a infraestrutura da cidade, incentivar o empreendedorismo, formalizar os pequenos negócios e gerar economia, foi fundamental para fazer a romaria crescer”, conta Eures Ribeiro.

Entre as iniciativas de estímulo à economia, a Prefeitura Municipal, com o apoio do Sebrae, criou a Feira do Empreendedor, na Praça Marechal Deodoro. O espaço expõe produtos, culinária local, quadros com fotografias, artesanato, brindes e os mais variados presentes que o romeiro pode levar da cidade como uma lembrança da rica cultura lapense. “Capacitamos essa população para gerar renda às famílias mais simples. Não é só o dono do hotel que ganha, queremos que os pequenos também tirem proveito do grande número de turistas que visitam a romaria”, conta Ribeiro.

Além da Romaria do Bom Jesus, a Prefeitura da Lapa também investe para atrair visitantes ao longo do ano. Além dos conhecidos pontos turísticos da Gruta do Bom Jesus e do Morro da Esplanada, no mês de setembro, o município recebe romarias para celebrar Nossa Senhora da Soledade. Ao longo do ano, são 1,5 milhões de visitantes, segundo dados da Prefeitura Municipal de Bom Jesus da Lapa, que visitam a cidade atraídos pelo turismo religioso.

Categorias
Bom Jesus da Lapa

Famílias quilombolas de Bom Jesus da Lapa são atendidas com novas habitações

Anúncios
Foto: Ascom/SDR

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), realizou a entrega, na noite de sexta-feira (4), de 28 unidades habitacionais no Quilombo Araçá/Cariacá, localizado a 18 quilômetros de Bom Jesus da Lapa, no Território de Identidade Velho Chico.

A ação é executada pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), com a articulação da Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado (Sepromi), por meio do convênio com a Cooperativa de Habilitação Rural da Bahia (Cooperabitar), e com recursos, da ordem de R$ 1 milhão, oriundos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação à Pobreza (Fundep).

O convênio prevê ainda a construção de habitações rurais nos Territórios de Identidade Baixo Sul, Médio Rio das Contas e Sudoeste Baiano. Segundo o titular da SDR, Jerônimo Rodrigues, a agenda do dia no Quilombo Araçá/Cariacá foi fechada depois de seminários e grandes debates com lideranças políticas e quilombolas de Bom Jesus da Lapa e outros municípios, que contou com anúncios importantes, inclusive de investimentos da prefeitura local, na comunidade:

“Esse encontro que aconteceu na comunidade reflete o conjunto da articulação dos quilombos no Velho Chico. A entrega do benefício faz parte de um processo de formação, capacitação e reflexão do lugar do quilombo em um momento difícil que vivemos da política, e de dificuldade financeira”, disse Rodrigues.

Gilmara Gonzaga, da Associação Araçá/Cariacá, afirmou que a chegada do benefício foi a realização de um sonho. “Antes, eu morava na casa da minha mãe, e hoje tenho minha casa própria”. A comunidade recebeu também cinco mil mudas de palma.

O objetivo da ação, realizada pela Superintendência da Agricultura Familiar (Suaf/SDR), é apoiar as famílias na produção de uma reserva estratégica de alimentos para o rebanho, principalmente, em períodos de estiagem. No Território de Identidade Velho Chico já foram entregues, nos últimos seis meses, 800 mil mudas de palma.

Políticas estruturantes

De acordo com o coordenador de Políticas para Povos Quilombolas e Tradicionais da Sepromi, Cláudio Rodrigues, a atividade no quilombo representa a conquista de uma ação estruturante, do ponto de vista da política de reparação da igualdade racial do estado da Bahia: “É uma parceria com a SDR que vem dando certo, pois tem executado políticas estruturantes de reparação para comunidades tradicionais e de negros no estado da Bahia”.

Para o prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro, o investimento importante para a região: “É uma conquista, fruto da luta dos quilombolas dessa região, que sempre se organizaram para buscar suas conquistas. Parabenizo essa luta deles e dou minha humilde contribuição para essa vitória de uma comunidade tão importante do nosso município, que sempre lutou pelos seus ideais”.

Para Arilson Ventura, da Coordenação Nacional de Comunidades Quilombolas (Conaq), apesar de o Brasil estar vivendo um momento político complicado, de retrocessos, essas são conquistas significativas. “Estamos avançando no processo de habitação rural. Não é ainda o esperado por nós, mas é o possível, como a comunidade de Araças Cariacá, que está recebendo esse projeto. Naturalmente, isso vai trazer conforto, satisfação e alegria aos que receberam o benefício. É um momento significativo para o movimento. A Conaq está atenta a esses avanços”.

Categorias
Bom Jesus da Lapa

Presidente da UPB e prefeito de Bom Jesus da Lapa se torna réu em ação movida pelo MPF

Anúncios
Eures Ribeiro. Foto: Divulgação/UPB

Após ação ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) em Bom Jesus da Lapa, a Justiça Federal tornou réu, em 12 de abril, o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB) e atual prefeito do município por ignorar pedidos de informação feitos pelo órgão. Eures Ribeiro Pereira se recusou a prestar informações referentes à gestão municipal de lixo e resíduos sólidos. Os esclarecimentos seriam utilizados pelo MPF para apurar as condições da cidade após representação feita pela ONG Lapa Limpa, que alegava diversas irregularidades ambientais cometidas pela Ecolurb durante o descarte do lixo.

De acordo com a ação, o MPF solicitou ao prefeito informações sobre a gestão dos resíduos sólidos em Bom Jesus da Lapa, indicando as empresas responsáveis pela coleta e pela destinação dos resíduos, em especial dos sólidos hospitalares. Requereu, ainda: o encaminhamento de cópia do plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos, ou a apresentação de justificativa para sua elaboração; e esclarecimentos sobre a titularidade dos imóveis onde se localizavam os “lixões” da cidade.

Segundo o MPF, foram enviados três ofícios ao gestor requisitando as informações: o primeiro em agosto de 2014, depois em fevereiro de 2015 e por fim, em maio do mesmo ano. No entanto, de acordo com o órgão, “em que pese o recebimento pelo próprio prefeito, e mesmo diante da exposição das consequências advindas da adoção da postura ilegal, este optou por não responder ao ofício encaminhado, o que sinaliza não uma simples falha administrativa, mas a existência do firme propósito de não atender requisição do Ministério Público”.

Na ação, o MPF requereu a condenação do réu nas sanções previstas nos artigos 12, inciso III, da Lei nº 8.429/92, que estabelece, por exemplo, ressarcimento integral do dano, se houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais pelo prazo de três anos.

Número para consulta processual na Justiça Federal: 2381-37.2015.4.01.3315 – Subseção Judiciária de Bom Jesus da Lapa

Sair da versão mobile